Está aqui

Está aqui

  • Um moinho de água em Darootkorgon, Chon Alai, República do Quirguistão.
    AKDN / Thomas Kelly
Energia para comunidades remotas
Minicentrais hidroeléctricas

De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas de 2008, 1,6 mil milhões de pessoas, a maioria das quais a viver em África e no sul da Ásia, não têm acesso a recursos elétricos. A demanda por energia a nível global deverá duplicar até 2050 e, à medida que a pressão para reduzir as emissões nos países desenvolvidos e em desenvolvimento aumenta, o acesso a energia limpa e fiável irá tornar-se não apenas um problema tecnológico, mas também de igualdade e justiça.

Na procura por fontes de energia sustentáveis, as comunidades remotas nos países em desenvolvimento representam um desafio particular. Nas regiões montanhosas da Ásia Central e do norte do Paquistão, as aldeias estão frequentemente isoladas e distantes de qualquer rede elétrica em funcionamento. Uma solução, iniciada pela Fundação Aga Khan no Paquistão, passar por escavar um canal estreito ao longo de uma encosta para desviar a água para uma conduta. A pressão criada pela água a fluir pelas condutas é suficiente para fazer trabalhar uma turbina e produzir 20-100 kW de potência. Estas microcentrais hidroelétricas geram energia suficiente para iluminar uma aldeia ou mesmo várias comunidades.

Ao contrário das barragens, que podem ter efeitos adversos nos sistemas ecológicos, estas minicentrais hidroelétricas limitam-se a desviar a água, em vez de obstrui-la. Foram construídas mais de 180 microcentrais hidroelétricas, fornecendo eletricidade a 50% da população de Chitral, no Paquistão, sendo que os projetos são implementados, mantidos e geridos pelas próprias comunidades. Existem várias outras dezenas de centrais em funcionamento no Tajiquistão e no Afeganistão. A AKDN também gere centrais hidroelétricas de maior escala no Tajiquistão e no Uganda, levando recursos energéticos acessíveis, limpos e fiáveis até às comunidades e pessoas em algumas das regiões mais pobres em energia do mundo.

“O desafio energético - aqui e em outros lugares - exigirá uma resposta multidisciplinar, incluindo inovações audaciosas na forma como produzimos e consumimos energia... A energia hidroelétrica cumpre esse objetivo. É uma energia 'limpa' - que promove o desenvolvimento sustentável e minimiza o impacto ambiental.” Sua Alteza o Aga Khan na Cerimónia de Colocação da Primeira Pedra do Projeto Hidroelétrico de Bujagali (Kampala, Uganda) - 21 de Agosto de 2007