Cultura

Está aqui

Está aqui

AKDN e

Cultura

A noção de cultura como uma mais-valia em vez de um luxo ainda é um assunto polémico em muitas partes do mundo. Como resultado, uma parte significativa do património cultural do mundo, grande parte disponível no mundo muçulmano, está em risco, enquanto que outras necessidades são consideradas prioritárias. A questão central tem sido como a cultura, integrada com instrumentos de desenvolvimento mais tradicionais, pode ser utilizada para melhorar a vida das pessoas em contextos urbanos, pobres e mesmo remotos. Como pode a cultura proporcionar emprego, aumentar os rendimentos, melhorar o bem-estar, promover a riqueza, melhorar os espaços urbanos, reforçar o respeito pela diversidade e mesmo restaurar o orgulho e a esperança?

Há mais de três décadas, o Fundo Aga Khan para a Cultura (AKTC) tem provado como a cultura pode ser um catalisador para melhorar a qualidade de vida, no seu sentido mais lato, mesmo as regiões mais pobres e remotas do mundo. Em Bamaco, no Cairo, em Deli e em Cabul, os projetos de renovação urbana da Rede, incluindo o restauro de monumentos, a restauração de parques e a criação de novos espaços verdes têm proporcionado a milhões de habitantes urbanos um oásis tão necessário e devolveram a esperança às comunidades que se tinham resignado a um estado de declínio irreversível.

Através deste programa, o Fundo esforça-se por fomentar uma melhor qualidade de vida através da preservação e revitalização dos bens culturais; o rejuvenescimento das tradições culturais; a criação de programas de educação que fomentam a compreensão mútua e a identificação de excelência arquitetónica que influenciam positivamente a maneira como as pessoas vivem, trabalham e interagem. 

Mais

Parques e jardins

Treze das 20 cidades de crescimento acelerado a nível mundial situam-se em áreas dos países em vias de desenvolvimento onde opera a AKDN. Dez situam-se em África. Em muitas destas cidades, os espaços verdes têm sido muitas vezes prejudicados pelo crescimento, migração dos campos e falta de planeamento. A ingerência, tanto legal como ilegal, tem vindo a destruir gradualmente as florestas e as pastagens, diminuindo os espaços verdes. Subjugadas por exigências financeiras, os municípios têm negligenciado o problema, afirmando que os espaços verdes não eram produtivos e, por conseguinte, tinham pouco valor ou, pior ainda, eram dispendiosos.

É neste contexto que o Fundo Aga Khan para a Cultura desenvolveu um programa para provar que, em vez de uma despesa, os espaços verdes podiam ser catalisadores para uma mudança positiva em termos económicos, sociais e culturais. No Cairo, Bamaco, Cabul, Deli e noutras cidades, a reabilitação da AKTC de parques existentes e a criação de novos parques tornaram estes espaços muito populares entre as populações locais e os visitantes internacionais e estão a gerar excedentes.

Vinte anos após a sua fundação, através de 10 projetos de parques e jardins no portfólio da AKTC, a AKTC demonstrou que os parques não só contribuem para a qualidade de vida nas cidades, como podem ser também autossustentáveis e geridos corretamente. Em vários locais, demonstrou também que, nas devidas condições, os parques e jardins podem ser também vantajosos em termos económicos que promovem, de maneira direta e indireta, um grande avanço de alterações positivas em termos de desenvolvimento social, emprego local e atividade empresarial e desenvolvimento cultural.

Museus

Os museus já não são meros reservatórios de cultura, mas instituições de educação vitais que podem ter um impacte profundo no discurso público. Os museus podem testemunhar a existência de outras culturas e fés através de formas que vão para além da palavra escrita ou falada. Fornecem testemunhos de outras realidades, outras histórias e outras influências para além das que aprendemos ou percebemos, fomentam o diálogo e promovem a tolerância e a compreensão mútua entre as pessoas. No seu melhor, os museus defendem a diversidade, o pluralismo, o intercâmbio de ideias e o enriquecimento do intelecto.

Criado em Toronto em 2014, o Museu Aga Khan visa fomentar uma maior compreensão e apreço pelo contributo da civilização muçulmana para o património mundial. Inclui mais mil artefactos e obras de arte e engloba mais de mil anos de histórias, mas foi concebido e supervisionado para apresentar um panorama geral das realizações artísticas das civilizações muçulmanas, da Península Ibérica à China.

Como resposta ao aumento significativo de visitantes ao Túmulo de Humayun em Deli, o Fundo Aga Khan para a Cultura está a construir um museu topo de gama na entrada do Túmulo. O Museu tem como objetivo uma melhor compreensão da arquitectura mughal, as tradições de artesanato associadas e o desenvolvimento das tradições culturais pluralistas da área de Nizamuddin, que definiram a cultura hindustani durante, pelo menos, cinco séculos.

>