Está aqui

Está aqui

  • Vista aérea do Parque Al-Azhar, no Cairo, Egito.
    Kareem Ibrahim
Um "pulmão verde" para o Cairo
A criação do parque Al-Azhar

É triste a história de muitas cidades a nível mundial com meios financeiros que, com frequência, deixam os centros históricos ao abandono, optando por novas aglomerações suburbanas de vidro e betão. Estes centros antigos são ocupados novos migrantes, atraídos às cidades pela perspetiva de emprego. No início da década de oitenta, por exemplo, este paradoxo reduziu grande parte dos espaços verdes do Cairo, apesar de ter sido, algumas décadas antes, uma cidade de jardins. 

Algumas estimativas revelam que, na década de setenta, havia um metro quadrado de área verde por habitante, outras indicam que era apenas uma pegada. Nas áreas pobres, as condições eram ainda piores à medida que os novos migrantes se aglomeravam em becos sem água e saneamento e os senhorios ausentes ignoravam a manutenção. No entanto, os pobres viviam entre os monumentos que testemunhavam os períodos de grande sofisticação: os portões de Fatimid, os muros de Ayyubid ou as mesquitas de Mamluk. 

Compreender como o processo de declínio pode ser invertido através do restauro de monumentos e da construção de um novo parque fazia parte de um plano para revitalizar uma das áreas pobres e problemáticas da cidade. Em 1984, no final de um seminário com o tema “A Metrópole em Expansão: Abordar o Crescimento Urbano do Cairo”, patrocinado pelo Prémio Aga Khan para a Arquitetura, Sua Alteza anunciou a sua decisão de abordar o problema da redução dos espaços verdes da cidade através do financiamento para a criação de um parque para os cidadãos da capital do Egito. O único local central com capacidade adequada era o Darassa, um monte de entulho de 30 hectares junto à Cidade Histórica. O local, que incluía uma grande variedade de monumentos que testemunham milhares de anos de História, colocava vários desafios técnicos.

Situado junto à Cidade dos Mortos no Cairo, é um aterro há mais de 500 anos. O lixo acumulava-se em vários locais. A construção exigia escavação, nivelamento e substituição com enchimento adequado. Foi movido um total de 1,5 milhões de metros cúbicos de lixo e terra, que equivale a mais de 80 000 cargas. Além disso, foi necessário integrar no parque três tanques de 80 metros de água potável para a cidade do Cairo. Foi necessário criar viveiros de plantas específicos para identificar as melhores plantas e árvores para o solo, terreno e clima. Foram plantadas no parque mais de 655 000 plantas jovens de mudas e sementes. O projeto incluía a escavação e um restauro considerável do muro de Ayyubid do século XII e a reabilitação de monumentos importantes na Cidade Histórica. Vários edifícios emblemáticos, incluindo a Mesquita Shaban do Sultão Umm do século XIV, o complexo Khayrbek (que inclui um palácio do século XIII, uma mesquita e uma casa otomana), a praça e a mesquita de Aslam e a Escola Darb Shoughlan foram restaurados. A habitação local foi renovada e devolvida aos proprietários. 

No bairro pobre de Darb al-Ahmar, situado junto ao parque, foram criadas oportunidades de formação profissional e emprego em vários setores, como fabrico de calçado, de mobília e de artigos de turistas. Foram disponibilizadas aprendizagens para eletrónica automóvel, telemóveis, computadores e maçonaria, carpintaria e competências administrativas. Os empréstimos para microcrédito permitiram aos habitantes abrir pequenos negócios, como carpintarias e empresas de limpeza a seco. Centenas de rapazes e raparigas em Darb Al-Ahmar encontraram emprego no parque, na área de horticultura e em projetos de restauro.

Atualmente, o parque atrai cerca de dois milhões de visitantes por ano. Graças às receitas da bilheteira e dos restaurantes do parque, estou tornou autossustentável. Mais importante, porém, o projeto de 30 milhões de dólares tem sido um catalisador para a mudança positiva no distrito vizinho, que se expandiu para além do restauro de monumentos e espaços públicos na Darb al-Ahmar vizinha e em iniciativas socioeconómicas, incluindo a recuperação do parque habitacional, microfinança, aprendizagens e cuidados de saúde.