Está aqui

Está aqui

  • Kone Kognon Ibrahim, empresário do setor agrícola e cliente da Première Agence de MicroFinance em Dianra, Costa do Marfim.
    AKDN
Première Agence de MicroFinance, Costa do Marfim
A história de Kone Kognon Ibrahim

Kone Kognon Ibrahim, de 39 anos, tem 11 pessoas a seu cargo; a sua esposa, quatro filhos e quatro outros membros da família. Originário da pequena aldeia de Leguedougou, mudou-se para Dianra, onde há mais oportunidades para a sua exploração avícola e os seus esforços de marketing. Os 50 000 francos CFA (76 dólares) que ganhavam eram apenas suficientes para garantir a educação dos filhos, mas às vezes não conseguia alimentar a sua família. Com dificuldades para aguentar, Kone tinha perdido a esperança.

Apesar de pensar em desenvolver o seu negócio para gerar mais lucro, tinha pouco dinheiro para investir. Mas quando um amigo lhe falou da Première Agence de MicroFinance da Costa do Marfim, ele decidiu pedir um empréstimo. O seu primeiro empréstimo de 225 000 francos CFA permitiu-lhe comprar três caixas de pintos, assim como o alimento e os medicamentos para criá-los. Foi uma época difícil: um ano antes, tinha começado a vender tudo o que tinha e possuía poucos recursos.

O PAMF-Côte d'Ivoire providenciou mais três empréstimos a Kone para este investir no negócio, permitindo-lhe comprar mais pintos e modernizar o seu galinheiro e os equipamentos.

Hoje, o rendimento familiar de Kone é de 800 000 francos CFA (1220 euros). Ele e a sua família desfrutam agora de uma dieta nutritiva, investiram na educação dos filhos e Kone investiu na casa da família. Ao mesmo tempo, conseguem também pôr algum dinheiro de lado para poupar e continuar a financiar o seu negócio em crescimento.

Estas melhorias na situação pessoal e financeira de Kone também contribuíram para o bem-estar da sua comunidade, com ele e ajudar amigos com necessidades financeiras, e oferecendo emprego. Assim, o sucesso dele é bem-vindo e incentivado pela comunidade.

Kone está ansioso por construir a sua própria casa para acolher a sua família, algo que ele acredita ser capaz de fazer nos próximos três anos. Quanto à sua opinião acerca da PAMF, ele diz: “eles permitiram-me começar a acreditar na vida. Digamos que... antes, tinha perdido toda a esperança. Hoje, com o seu apoio, estou confiante de que sou capaz de realizar meus sonhos.”