Está aqui

Está aqui

  • Sudhanshini Devi e o seu filho Ganesh Kumar à porta das suas duas casas de banho recém-construídas.
    AKDN / Christopher Wilton-Steer
Sudhanshini Devi: Ter acesso a uma casa de banho muda uma vida

Melhorar o acesso a saneamento e higiene sustentáveis continua a ser um dos desafios de desenvolvimento mais urgentes para a Índia. Como resposta a este desafio, o governo indiano lançou a Swachh Bharat Abhiyan, ou Missão Índia Limpa, para criar uma Índia livre de defecação a céu aberto até 2019. Desde o lançamento da Missão Swachh Bharat em 2014, a cobertura de saneamento na Índia duplicou para 74%.

Em 2015, em resposta ao programa principal do Governo da Índia, a AKDN lançou a sua Iniciativa Abrangente de Saneamento. A iniciativa consiste num programa de cinco anos destinado a facilitar o acesso a saneamento e higiene de melhor qualidade a mais de 700.000 pessoas em seis estados: Bihar, Gujarate, Madhya Pradesh, Maharashtra, Uttar Pradesh e Telangana. Um fator-chave da iniciativa é a criação de procura por melhores práticas de higiene, combatendo assim normas antigas e levando a mudanças duradouras de comportamento que melhorem a qualidade de vida. 

Em 2016, um ano depois do início da iniciativa, o Programa Aga Khan de Apoio Rural (AKRSP) começou a realizar entrevistas com os beneficiários para compreender a diferença que fez na vida das pessoas o facto de terem uma casa de banho construída em suas casas. Abaixo está a transcrição de uma entrevista que foi originalmente publicada no site da AKF EUA

Sudhanshini Devi, de 60 anos, mora com os seus dois filhos e as suas famílias em Vishanpur Bakri. Ganesh Kumar, de 28 anos, é o seu filho mais novo e tem uma filha pequena. Ele e a sua esposa estão à espera do segundo filho. No aniversário de Gandhi, em 2 de Outubro, Vishanpur Bakri foi declarada uma zona Livre de Defecação a Céu Aberto pelo Governo de Bihar. Ganesh Kumar e a sua mãe foram uma das últimas famílias a ver ser construída uma casa de banho em sua casa.

Eles aqui revelam-nos a diferença que fez nas suas vidas o facto de terem acesso a uma casa de banho.

AKRSP: Sudhanshini Devi ji e Ganesh Kumar ji, a vossa família construiu recentemente duas casas de banho. Porque é que o fizeram?

Ganesh Kumar (GK):Construímos estas casas de banho porque há um ano começámos a aprender acerca dos perigos da defecação a céu aberto. Tudo começou quando o pessoal de campo da AKRSP veio à nossa aldeia para contabilizar quantas famílias tinham casa de banho e a usavam. Durante esse encontro, ficou claro que a maioria de nós nesta aldeia fazia as necessidades no exterior, mesmo que alguns de nós já tivessem construído uma casa de banho. Nas reuniões de acompanhamento e durante as visitas casa a casa, o AKRSP explicou-nos os riscos para a saúde da defecação a céu aberto e sugeriu que todas as famílias sem casa de banho considerassem construir uma. Quando a minha família percebeu o quão prejudicial é a defecação a céu aberto, começámos a estudar a construção de uma casa de banho.

AKRSP:Quais foram os maiores desafios que tiveram de superar para construir a casa de banho? 

GK:Foi complicado juntarmos dinheiro para construir uma casa de banho. Eu e o meu irmão somos trabalhadores agrícolas e não conseguimos poupar muito. Queríamos construir casas de banho de boa qualidade e estávamos preocupados que isso custasse muito dinheiro. O AKRSP ajudou-nos a entender que poderíamos construir uma casa de banho simples a um custo relativamente baixo e que poderíamos candidatarmo-nos a um subsídio do governo para cobrir parte dos custos. Depois de ficarmos a saber que poderíamos construir uma casa de banho simples por cerca de 18.000 rúpias [233 €], eu e o meu irmão decidimos construir duas, para que toda a gente na nossa família pudesse ir à casa e banho sempre que precisasse.

AKRSP:Foi difícil construir as casas de banho? 

GK:A construção em si não demorou muito, apenas quatro dias, com a ajuda de um pedreiro. Seguimos um modelo sugerido pelo AKRSP, que é bom para áreas de baixo-relevo, como a zona onde moramos, então as casas de banho foram construídas em cima de uma plataforma ligeiramente elevada. O modelo é simples, fácil de usar e de manter limpo. Também construímos lavatórios para lavar as mãos, para que todos possam lavar as mãos depois de usar a casa de banho.

AKRSP:Ter uma casa de banho fez diferença nas vossas vidas? 

Sudhanshini Devi (SD):Fez uma grande diferença na minha vida. Nunca havia tido, em toda a minha vida, acesso a uma casa de banho, e tinha sempre de fazer as minhas necessidades no exterior. Quando era jovem, e depois quando engravidei, era muito difícil ir à casa de banho, e tinha de esperar que escurecesse ou então ia logo no início da manhã, porque tinha vergonha que os outros me vissem. Lembro-me de estar grávida dos meus filhos e de sentir um grande desconforto, porque não conseguia ir à casa de banho com a frequência que precisava. Agora que estou mais velha, é muito conveniente ter uma casa de banho por perto, porque já não posso andar longas distâncias, e fico feliz que as minhas noras e a minha neta não tenham de esperar para ir à casa de banho como eu fazia quando era jovem.

GK:A minha mãe, a minha esposa e a minha filha dizem que isto mudou realmente a vidas delas, e que também se sentem mais seguras, uma vez que já não precisam de caminhar muito no escuro para fazerem as suas necessidades. Para mim e para o meu irmão e os filhos dele também é melhor ter uma casa de banho por perto, não perdemos tempo a caminhar até à casa de banho.

AKRSP:A sua aldeia foirecentemente declarada uma zona Livre de Defecação a Céu Aberto. Como se sente em relação a isto?

SD:Fico feliz que isto tenha acontecido na nossa aldeia. Noto que agora já não cheira tão mal, e é bom que toda a gente esteja a usar uma casa de banho. Significa que seremos mais saudáveis e asseados.

GK:É positivo que a nossa aldeia tenhasido capaz de concretizar isto através dos nossos esforços conjuntos. Agora todos compreendem que defecar a céu aberto é perigoso e toda a gente está mais consciente acerca da sua higiene pessoal e da limpeza da aldeia.