Está aqui

Está aqui

  • Gulnara Abdieva numa videochamada através do Zoom com as professoras do Departamento de Inglês: "Estou grata pelo facto de este confinamento nos ter encorajado a melhorar as nossas competências de ensino ao nível das TI e a encontrar novas formas de comunicar com os alunos e os pais."
    AKES / Gulnara Adbieva
Gulnara Abdieva: Ensinar no Quirguistão em plena pandemia da COVID-19

História contada da perspetiva de Gulnara Abdieva, professora de inglês e instrutora de desenvolvimento profissional na Escola Aga Khan, em Osh, no Quirguistão.

O ano de 2020 trouxe mudanças drásticas ao sistema educacional, não apenas no Quirguistão, mas também nas escolas de todo o mundo. O edifício da nossa escola foi fechada em 16 de Março de 2020, na altura em que o nosso país começou a tomar precauções de quarentena e confinamento. É óbvio que, desde então, a vida da maioria dos professores e alunos mudou radicalmente.

akes-kyrgyzstan-on-line_learning_parents_support-bis.jpg

O apoio dos pais na aprendizagem online.
Copyright: 
AKES
O Ministério da Educação e Ciência do Quirguistão anunciou que as aulas no quarto trimestre do nosso ano académico seriam ministradas online e a distância. Começaram, desde logo, a filmar e a transmitir aulas na televisão nacional, mas nós professores também tivemos de fazer a nossa parte. Tivemos a sorte de receber alguma formação ao nível dos recursos Google Classroom e Zoom, mas apoiámo-nos e aprendemos uns com os outros, partilhando os nossos métodos, sucessos e frustrações.

A primeira vez que me inscrevi para dar uma aula de inglês online, pensei que seria simples. Pensei em ensinar o mesmo conteúdo da mesma forma que sempre o ensinei - a única diferença seria que os alunos estariam em casa. Eu simplesmente não seria capaz de vê-los. No entanto, descobri muito rapidamente que não seria tão fácil como eu esperava. Percebi que era preciso recriar os meus conteúdos de ensino para tornar as lições ainda mais envolventes e interessantes para os meus alunos. Devo dizer que inicialmente foi complicado para mim e para os meus colegas, assim como para os nossos alunos. Nós, professores, tivemos de aprender a criar aulas online, mas também tivemos de ensinar os nossos alunos a trabalhar com o Google Classroom para que estes pudessem aceder aos trabalhos e enviá-los a tempo. Inicialmente, muitos dos nossos alunos estavam relutantes em estudar online, mas isso foi-se modificando.

akes-kyrgyzstan-e952dc66-1cc1-4780-8861-20739c51f4d6-bis.jpg

Aluno dos AKES a terminar o seu trabalho antes de o partilhar com os professores online.
Copyright: 
AKES
Existe uma máxima de Maya Angelou, poetisa e ativista americana: “Nada irá funcionar sem que nós o façamos.” A verdade é que, após seis semanas, os problemas são cada vez menos e eu e os meus colegas estamos a habituar-nos a ensinar online e a distância. Na verdade, o ensino a distância ajudou-me a adquirir novas competências de TI e novas estratégias de ensino. Hoje consigo dar aulas utilizando o Zoom, Google, TeamLink e Cisco Webex; consigo criar testes interativos; e consigo usar programas como o Bandicam e o Free Cam para gravar as minhas apresentações.

Recentemente, pedi aos meus alunos que pensassem acerca dos novos métodos de aprendizagem. Aruuke, da turma 11.º C, afirmou de forma sensata: “Como sabem, todas as situações têm os seus próprios pontos positivos e negativos.” Kamila, da turma 10.° C, gosta do ensino a distância do Google porque “podemos fazer os nossos trabalhos e estudar na altura que nos for mais conveniente”. Bermet, da turma 10.° C, apresentou duas reflexões: ela gosta do facto de o ensino a distância lhe permitir “assistir aos tutoriais em vídeo várias vezes, reler correspondência com um professor e ignorar tópicos já conhecidos”, mas observou que “a parte menos boa é que temos de conseguir dominar o processo educacional de forma independente, e isto requer uma profunda força de vontade, responsabilidade e autocontrolo”.

Para além das minhas funções de professora, também estou a prestar apoio prático, a dar formação e a comentar a ação dos meus colegas na área das minhas disciplinas (Estudos Sociais e Inglês). Também os tenho incentivado a participar em cursos de ensino online.

Então, como é ser professora na AKS de Osh nesta altura? Descobrimos que o ensino online complementa o ensino na sala de aulas. Acredite-se ou não, há certos dias em que considero as aulas online um método de ensino realmente interessante e confortável! Estou grata pelo facto de este confinamento nos ter encorajado a melhorar as nossas competências de ensino ao nível das TI e a encontrar novas formas de comunicar com os alunos e os pais. Não devemos desistir da aprendizagem a distância. A era da tecnologia corre na nossa direção a alta velocidade, criando oportunidades todos os dias. Por isso, temos de continuar a aprender e a demonstrar novas competências - e esperamos que os nossos alunos se sintam inspirados a fazer o mesmo.

Este artigo foi publicado pela primeira vez no site das Escolas Aga Khan.