Está aqui

Está aqui

  • O hotel Polana Serena à noite em Maputo, Moçambique.
    AKDN / Jon Ivins
  • Pousada Serena Safari Serengeti, Tanzânia.
    AKDN
  • Dushanbe Serena Hotel, no Tajiquistão.
    AKDN / Gary Otte
  • A cabana de safari Amboseli Serena, que venceu o prémio "Melhor Hotel Ecológico do Ano" em 2013 da World Travel Awards.
    AKDN
  • Pousada no Lago Manyara, na Tanzânia.
    AKDN
Tourism Promotion Services (TPS)

Os Tourism Promotion Services do AKFED, que operam com a designação comercial “Serena Hotels”, visam desenvolver o potencial do turismo em determinadas áreas de países em vias de desenvolvimento, em especial em regiões mal servidas, onde as instalações de turismo podem contribuir para o crescimento económico e o clima geral de investimento. Cria e gere hotéis, estâncias de férias, palácios, fortes, cabanas de safari e acampamentos de maneira ambiental e culturalmente sensível na região da África Oriental (Moçambique, Quénia, Ruanda, Tanzânia, Uganda e Zanzibar) e em três países no Sul da Ásia (Afeganistão, Paquistão e Tajiquistão). 

Os Hotéis Serena são concebidos para ter repercussões na economia local, que está bem demonstrado num estudo de caso do investimento da International Finance Corporation (IFC) no Kigali Serena Hotel, no Ruanda.De acordo com a análise da cadeia de valor, o Kigali Serena Hotel gerou cerca de 64 milhões de dólares na economia do Ruanda entre 2007 e 2011.

Os Hotéis Serena contribuem para as economias locais de várias maneiras: desde escolha do local, design e fase de construção até às operações diárias responsáveis. Os Hotéis Serena apresentam uma arquitetura local sustentável, promovem a sensibilização das culturas locais, a revitalização de artesãos e do setor do artesanato, património nacional, conservação do ambiente natural, autonomia da comunidade local e aprovisionamento responsável, fornece oportunidades de alfabetização e aprendizagem precoce, promove a saúde, a segurança e o bem-estar e facilita a partilha das realizações e conhecimento aos convidados, escolas, comunidades e várias partes intervenientes. Isto inclui a prioridade à contratação e formação de residentes locais para emprego a vários níveis da organização.

Os Hotéis Serena empregam diretamente cerca de 6000 pessoas. Em cada hotel, a política é minimizar o impacte no ambiente local, ao mesmo tempo que procura maximizar os benefícios socioeconómicos para a economia local. Na Tanzânia, por exemplo, antes da criação de novas instalações nos parques nacionais do país, foram realizados quatro estudos sobre impacte ambiental e, como administradores, receberam autorização para construir. Uum dos resultados da avaliação do impacte ambiental deu origem a alterações em termos de conceção, uma vez que o Ngorongoro Serena Safari Lodge podia afetar negativamente a disponibilidade de água ao povo Masai. Contudo, a empresa investiu em 5 quilómetros de tubagem para ter acesso a água a partir de uma fonte alternativa.

A Serena Resort, em Mombaça, é responsável pela manutenção de um santuário para borboletas indígenas e também trabalha de maneira ativa com residentes locais num programa para proteger os locais de reprodução das tartarugas.

Em 2002, o Governo do Afeganistão pediu à Rede Aga Khan para o Desenvolvimento para ajudar a recuperar a capacidade hoteleira de Cabul, que foi destruída pela guerra civil. Atualmente, o Kabul Serena Hotel emprega diretamente 300 pessoas e dá apoio a fornecedores locais de bens e serviços.

As nossas histórias de sucesso relacionadas com o programa de reflorestação do Serena ocorreram na Floresta Hombe no Parque Nacional e Floresta Natural do Monte Quénia (Área de Património Mundial da UNESCO) e no Parque Nacional de Amboseli, onde a destruição das florestas pelos elefantes está a ser evitada. Estas medidas permitiram aos Hotéis Serena ganhar vários prémios ambientais e distinções.